Programa de Conservação de Aves Limícolas - Projeto Flyways Brasil

Programa de Conservação de Aves Limícolas – Projeto Flyways Brasil

Aves Limicolas Color Em maio de 2016, a SAVE Brasil completou o primeiro ano de trabalho do projeto Flyways Brasil junto com o Instituto Iberdrola Brasil para a conservação de aves limícolas. Os objetivos principais do projeto, ainda em andamento, são: 1) monitorar 5 espécies de aves limícolas ameaçadas de extinção: maçarico-de-papo-vermelho (Calidris canutus), maçarico-rasteirinho (Calidris pusilla), maçarico-acanelado (Calidris subruficollis), maçarico-de-costas-brancas (Limnodromus griseus) e batuíra-bicuda (Charadrius wilsonia); 2) diagnosticar a situação de conservação dos sítios onde as aves limícolas ameaçadas estão sendo monitoradas; 3) engajar as comunidades locais na conservação de aves limícolas, com foco na identificação e valorização dessas aves; e 4) avaliar os impactos da produção de energia eólica nas aves limícolas, considerando o litoral brasileiro e suas especificidades.

As regiões de monitoramento são Mangue Seco (BA), Ilha da Restinga (PB), Baia Potiguar (RN) e Parque Nacional da Lagoa do Peixe (RS). Ao término de um ano, pudemos perceber que a Bacia Potiguar destacou-se como o sítio que abrigou o maior número de aves limícolas, com pico em março de aproximadamente 2.300 indivíduos.

Considerando somente as espécies ameaçadas, Mangue Seco e Bacia Potiguar abrigaram 4 espécies ameaçadas: o maçarico-rasteirinho (Calidris pusilla), o maçarico-de-papo-vermelho (Calidris canutus), o maçarico-de-costas-brancas (Limnodromus griseus), e a batuíra-bicuda (Charadrius wilsonia), sendo o maçarico-rasteirinho com maior abundância em Mangue Seco e predominância ao longo do ano na Bacia Potiguar. A espécie com maior abundância na Bacia Potiguar foi o maçarico-de-papo-vermelho. A única espécie ameaçada que utiliza a Ilha da Restinga é o maçarico-rasteirinho.

limicolas01

Registro de Calidris canutus, Pluvialis squatarola e Arenaria interpres em Mangue Seco, BA. Foto: Bruno J. M. Almeida.

Todas as informações adquiridas com o monitoramento são de fundamental importância para delinear campanhas de captura, anilhamento e marcação com rádios para trabalhos futuros de conectividade de migração dessas aves.

Os estudos relacionados ao objetivo 2 do projeto identificaram alguns desafios para conservação das aves limícolas, especialmente relacionado ao impacto do turismo em Mangue Seco (BA), e de atividades extrativistas como salinas, indústria de petróleo, energia eólica e carcinicultura na Bacia Potiguar (RN). Apesar desses impactos negativos, foram identificadas oportunidades de melhoria desse quadro, sobretudo pela existência de atores locais engajados nas questões ambientais do povoado de Mangue Seco (BA) e de desenvolvimento de trabalhos de educação ambiental com apoio de ONG e Reserva de Desenvolvimento Sustentável na região da Bacia Potiguar (RN).

Registro de Calidris pusilla em Galinhos- Bacia Potiguar, RN. Foto: João Paulo Tavares.

Registro de Calidris pusilla em Galinhos- Bacia Potiguar, RN. Foto: João Paulo Tavares.

Adicionalmente, as atividades de engajamento da população local dos sítios de conservação, relacionadas ao objetivo 3, estão sendo desenvolvidas pela equipe da SAVE Brasil. E, ainda, utilizaremos as informações que estão sendo levantadas pelo objetivo 4 e a experiência acumulada por outras instituições de conservação parceiras da SAVE Brasil para promover o uso sustentável dos recursos locais, de forma a beneficiar também as aves limícolas que utilizam a região.

 

Apoio:

4 - InstitutoIberdrolaBrasil