Murici

Murici é um dos mais importantes redutos da avifauna do Centro de Endemismo Pernambuco (porção de Floresta Atlântica localizada a norte do Rio São Francisco).

Floresta de Murici Foto: Pedro Develey

Floresta de Murici
Foto: Pedro Develey

Localizado na Zona da Mata Alagoana, este complexo florestal abriga 14 espécies de aves globalmente ameaçadas. Foi palco da descoberta de quatro espécies novas para a ciência, como os Criticamente Ameaçados choquinha-de-alagoas (Myrmotherula snowi) e limpa-folha-do-nordeste (Philydor novaesi) e duas espécies na categoria Em Perigo, o zidedê-do-nordeste (Terenura sicki) e o cara-pintada (Phylloscartes ceciliae).

Devido à rica biodiversidade da região e sua unicidade, Murici é considerada pela SAVE Brasil e BirdLife International uma  “Área Importante para a Conservação das Aves” (Important Bird Area – IBA) de atuação prioritária. A atuação da SAVE Brasil em Murici iniciou em 2000 e muitas ações de conservação foram desenvolvidas em parceria com a Associação para a Proteção da Mata Atlântica do Nordeste (AMANE). Considerando a importância de conservação da região, a SAVE Brasil juntamente com outras sete organizações criou o Pacto Murici que atua para assegurar a conservação dos remanescentes florestais do Centro de Endemismo Pernambuco.

Após o XXIII Congresso Brasileiro de Ornitologia, realizado em agosto de 2016 na cidade de Pirenópolis – GO, a SAVE Brasil reuniu 20 especialistas que elaboraram o Plano Emergencial para Conservação da Choquinha-de-alagoas (Myrmotherula snowi), espécie criticamente ameaçada de extinção e com estimativa populacional menor do que 50 indivíduos, a maioria deles vivendo na ESEC Murici. Nos próximos dois anos a SAVE Brasil em parceria com universidades e ornitólogos desenvolverão ações de pesquisa e manejo visando a melhoria da situação da espécie.

Nos últimos anos a SAVE Brasil também vem articulando com os órgãos de governo, especialmente o ICMBio, formas de acelerar a regularização fundiária da ESEC Murici .

 

Limpa-folha-do-nordeste (Philydor novaesi) Foto: Ciro Albano

Limpa-folha-do-nordeste (Philydor novaesi)
Foto: Ciro Albano

Principais resultados

  • Articulação com o governo federal que resultou na criação da Estação Ecológica (ESEC) de Murici (em 2001) com 6.116 hectares;
  • Implementação do Centro de Educação para Conservação da Mata Atlântica do Nordeste, localizado na cidade de Murici;
  • Apoio à capacitação em desenvolvimento comunitário, agrofloresta, artesanato e horta orgânica com a comunidade do assentamento Pacas, localizada no entorno da ESEC Murici;
  • Promoção de ações de educação ambiental e formação de agentes socioambientais no assentamento Pacas;
  • Apoio às ações de restauração florestal e criação de áreas protegidas na região do Centro Pernambuco;
  • Apoio à formação e capacitação de 260 gestores de unidades de conservação na Mata Atlântica do Nordeste;
  • Formação do coletivo jovem para debater questões ambientais em Murici;
  • Apoio à formação da Cooperativa de Produtores da Agricultura Familiar Camponesa de Murici;
  • Levantamento e monitoramento da avifauna na ESEC Murici, identificando 289 espécies de aves;
  • Elaboração do plano emergencial para a conservação da Choquinha-de-Alagoas (Myrmotherula snowi)

Organizações parceiras

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Universidade Federal de Alagoas, Associação para a Proteção da Mata Atlântica do Nordeste (AMANE), Centro de Estudos e Pesquisas Ambientais do Nordeste, Conservação Internacional, Fundação SOS Mata Atlântica, Instituto Amigos da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, The Nature Conservancy, WWF Brasil.

Apoiadores

American Bird Conservancy, Belgian Government, Beneficia Foundation, BirdLife Belgium, British Birdwatching Fair, Council of Agriculture-Forestry Bureau – Taiwan, Flemish Government, Marshall-Reynolds Foundation, Natuurpunt, Overbrook Foundation, WWF-US, Ministério do Meio Ambiente e doadores individuais.