Rafael Bessa, o ornitólogo que reencontrou a rolinha-do-planalto

bessaRafael Bessa Alves de Carvalho tem 34 anos, é casado e tem uma filhinha de 1 ano. Carioca, Bessa se formou em Medicina Veterinária pela Universidade Federal Fluminense e em Ciências Biológicas pela Universidade Estácio de Sá. Em 2015 concluiu o mestrado profissional em Biodiversidade em Unidades de Conservação na Escola Nacional de Botânica Tropical no Rio de Janeiro. Atualmente realiza trabalhos de levantamento e monitoramento ambiental com foco em Ornitologia em diferentes tipos de empreendimentos e biomas do Brasil.

Desde a graduação ele vem estudando ecologia e conservação da avifauna, mas foi em julho de 2015 que Bessa encontrou o que seria a maior descoberta da sua vida até então, a Rolinha-do-planalto (Columbina cyanopis), a espécie foi descoberta em 1823 e não era vista na natureza desde 1941. Determinado, Rafael conseguiu guardar segredo até o dia 21 de maio, quando o fato foi revelado durante o AVISTAR 2016 em São Paulo. Desde então, seu nome vem sendo mencionado em diversas reportagens na TV, internet e jornais, além de aparecer em diversos posts nas redes sociais.

Na sua página do Facebook, Bessa relatou a emocionante descoberta:

Nervosismo, ansiedade e felicidade. Todas palavras intimamente relacionadas com sorte. A minha sorte…
Dizem que um dia ela chega pra todos. A minha veio em forma de passarinho. Aliás, rolinha pra ser mais preciso. Mas não é qualquer rolinha dessas que encontramos por aí, em variedades roxas, brancas, de asa-canela ou das que apagam fogo… Me refiro a uma rolinha especial, de olhos azuis e tão rara quanto poderia ser.
Dizem que quando a sorte chega devemos estar preparados. Eu estava e esse foi meu único mérito. Portava comigo todos os equipamentos necessários para exercer minha profissão de ornitólogo.
Favorecido pelo acaso e pela minha ignorância, não reconheci uma vocalização ao longe que me parecia familiar…
Saco o microfone, gravador novo.. Será que dou conta? E esse vento? Não vai parar?
Gravação feita… Putz, ficou ruim… Mas vamos tentar o playback pra ver o que acontece… Toca uma, toca duas… O bicho responde ao longe…. Toco mais uma vez e pimba!!! O fantasma vem em minha direção.
Isso é verdade? Estou acordado? Respiro fundo, travo as pernas e fecho os olhos por poucos segundos…
Ao longe ouço a voz de um tuque, saíra-amarela, um trinca-ferro, sinto o vento no rosto… Só que dessa vez ele me ajuda a retomar a consciência. Opa, caiu um cisco no olho… Fantasmas existem!
Ao mesmo tempo em que as pernas começam a bambear, instantaneamente meu sistema nervoso parassimpático se comunica com sistema digestivo através do nervo vago…
Será? Não é possível!!!! Aqui???? Fotos, fotos e mais fotos.
Nada pode definir a sensação de estar de frente com um fantasma. Logo eu, tão cético sobre tudo, fui confrontado com uma ave que me fez ter dúvidas se estava acordado ou sonhando.
A felicidade do encontro só não é maior que a responsabilidade de garantir a sobrevivência da espécie em longo prazo.
Temos que aproveitar a chance para fazer diferente e tirar de vez esse bicho da lista de espécies ameaçadas no Brasil. O primeiro passo já foi dado.
Apresento a vocês a rolinha-do-planalto (Columbina cyanopis). Vista pela última vez em 1941 no estado de Goiás.”

Parabéns Bessa!