Ararinha-azul reaparece na natureza

Ararinha-azul reaparece na natureza

Excelente notícia na Caatinga! No último sábado (18 de junho) um indivíduo de ararinha-azul foi visto por moradores de Curaçá, Bahia, voando livre na Caatinga do município, único local de ocorrência comprovada da espécie, que estava desaparecida desde o ano 2000. O primeiro a avistar a ave foi o agricultor Nauto Sergio Oliveira que assim que confirmou se tratar de uma ararinha-azul comunicou seus vizinhos. No dia seguinte Lourdes Oliveira e sua filha Damilys Oliveira levantaram ainda de madrugada e foram procurar a ararinha nas matas ciliares do Riacho Barra Grande. As 6:20 da manhã conseguiram não apenas ver a ave, mas também registrá-la através de um vídeo gravado com o celular de Damilys.

Com o vídeo na mão, Lourdes entrou em contato com os biólogos da SAVE Brasil, que faz parte do projeto Ararinha na Natureza. De acordo com Pedro Develey, diretor da SAVE Brasil, assim que ele recebeu a noticia não acreditou, mas ao ver o vídeo e ouvir a vocalização, não havia mais dúvidas, de fato se tratava de uma ararinha-azul. Imediatamente Develey comunicou os outros integrantes do projeto e organizaram uma viagem de emergência para Curaçá com objetivo de localizar a ave.

A origem desse individuo é incerta, mas é muito provável que seja uma ave proveniente de cativeiro. Desde domingo a ararinha não foi mais vista, mas tanto os biólogos do projeto, quanto os moradores locais estão mobilizados procurando a ave.  A área é muito grande e com alguns trechos de difícil acesso, o que torna a localização da ararinha complicada.

Segundo Ugo Vercillo, Diretor de Biodiversidade do Ministério Meio Ambiente, organização também integrante do projeto Ararinha na Natureza, o fato de aparecer uma ararinha na região de Curaçá reforça ainda mais a necessidade de proteção da área. Desde 2014 o projeto Ararinha na Natureza vem trabalhando para criar uma Unidade de Conservação (UC) com 44 mil hectares no município com o objetivo de proteger a Caatinga e as matas ciliares.

Sempre existiu uma grande expectativa da comunidade local em relação ao retorno da ararinha-azul. A observação dessa ararinha reacende a esperança na população de ver um dos seus maiores orgulhos de volta a Caatinga.

Na próxima semana, uma expedição liderada pelo Instituto Chico Mendes para a Conservação da Biodiversidade (ICMBio) se juntará aos esforços dos moradores locais na tentativa de localizar a ave e obter o maior número de informações possíveis. A expedição também é uma das ações do projeto Ararinha na Natureza e patrocinado pela empresa Vale, através do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio).

Em paralelo aos esforços em campo, a reprodução da espécie em cativeiro para posterior reintrodução na natureza é crucial para o sucesso do projeto, e conta com a participação dos criadouros AWWP (Qatar), ACTP (Alemanha) e Fazenda Cachoeira (Brasil), que mantém cerca de 130 ararinhas-azuis e nos próximos anos disponibilizarão os primeiros indivíduos a serem reintroduzidos em Curaçá.

Enquanto a ararinha não é observada novamente, ficam muitas dúvidas sobre a origem dessa ave.  Como ela teria aparecido na região?  Há quanto tempo já está solta? Como está se adaptando a vida livre? Talvez demore um pouco para conseguirmos as respostas, mas o fato é que muitos anos após a extinção do último individuo, uma ararinha-azul voltou a voar livre na caatinga de Curaçá.

Confira a notícia no Estadão:

Ararinha-azul é vista na natureza, após 15 anos desaparecida