Anatomia, fisiologia e morfologia

As aves são vertebrados endotérmicos cobertos com penas, de membros anteriores transformados em asas e membros posteriores usados para a locomoção bipedial. Esses animais possuem a temperatura corpórea mais alta conhecida entre os animais, com um sistema de sacos aéreos distribuídos pelo corpo e ossos pneumáticos.

As penas realizam diversas funções, como isolamento térmico, impermeabilização, camuflagem e auxílio no voo e na natação. Em geral, as penas são trocadas anualmente, em um processo conhecido como muda, que pode variar entre as diferentes famílias.

O sistema respiratório das aves é único no Reino Animal, contendo sacos aéreos que se comunicam com os pulmões, o oco dos ossos e a boca, contribuindo para reduzir o peso e assim, permitir o voo.  Esses sacos aéreos também auxiliam no isolamento térmico desses animais.

O esqueleto é a parte da anatomia das aves que melhor reflete a sua adaptação paralela tanto para o voo, quanto para a locomoção bipedal. No geral, os ossos das aves são mais finos e não possuem medula óssea, com exceção das aves que não voam, como os pinguins e avestruzes. As aves apresentam um esterno com uma quilha muito desenvolvida, de onde se originam os músculos responsáveis pelo voo.

As aves são animais ovíparos, e a sua reprodução envolve desde a escolha de parceiros, construção de ninhos e cuidados dos filhotes, até aspectos fisiológicos.

Tiê-sangue (Ramphocelus bresilius) Foto: Ciro Albano

O dimorfismo sexual nem sempre é presente, mas em algumas espécies é bastante evidente, como é o caso do tiê-sangue (Ramphocelus bresilius), cujo macho possui a plumagem em um tom de vermelho muito vivo, e a fêmea é amarronzada. A monogamia é o sistema mais encontrado entre as aves – o macho e a fêmea formam par pelo menos durante o período reprodutivo.

Muitas aves são apreciadas pelos seus cantos, e o motivo pelo qual esses animais são capazes de produzir esses sons é a presença de um órgão chamado siringe. Enquanto nos mamíferos as vocalizações são produzidas pela laringe, nas aves é a siringe, localizada no final da traqueia, a responsável por essa função. Os repertórios vocais das aves variam muito, e algumas espécies possuem mais de 20 diferentes vocalizações.

A impressionante capacidade que as aves têm de adaptação pode ser vista nas diversas fontes de alimentos que elas são capazes de explorar. Existem muitas adaptações que tornam isso possível, sendo as diferentes formas de seus bicos um importante fator. Devido à alta especialização de suas asas e pernas, o bico é a principal parte do corpo utilizada para coletar e manusear os alimentos. Desta forma, observa-se uma grande variedade de formatos de bicos, cada um deles relacionado a determinado hábito alimentar.

O sistema digestivo das aves também apresenta características diferenciadas, como a presença do papo, que pode armazenar o excesso de alimento ingerido pelas aves. Porém, não são todas as espécies que possuem essa estrutura (ex. é ausente nos beija-flores). A moela é outro diferencial do sistema digestivo das aves, armazenando pedras e outros pequenos objetos duros, que auxiliam na moagem dos alimentos.

Veja no link abaixo a morfologia das aves:

http://www.wikiaves.com.br/morfologia

Para conhecer mais sobre a anatomia das aves, faça uma visita ao Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, e se você quiser aprender sobre os diferentes cantos de aves brasileiras visite o Catavento Cultural, onde se pode ouvir os sons de várias espécies e identificá-las.

Catavento Cultural:

Praça São Vito –  Parque Dom Pedro II- Brás, São Paulo (11) 3315-0051

http://www.cataventocultural.org.br

Museu de Zoologia:

Avenida Nazaré, 481 – Ipiranga, São Paulo (11) 2065-8100

http://www.mz.usp.br/